8ª Maratona Mauricio de Nassau: Saiba como foi…

A Maratona Maurício de Nassau chegou a mais uma edição! A oitava consecutiva, dando a oportunidade dos corredores de Pernambuco e dos demais estados vizinhos atingir a marca emblemática dos 42.192 metros. E entre dúvidas e receios advindas das últimas edições que infelizmente ficaram a desejar, para alegria de todos e felicidade geral dos corredores, a Maratona Maurício de Nassau agradou!

E felizmente tudo transcorreu bem no conceito da maioria dos corredores… E como era bacana ver a quantidade de corredores que buscavam atingir os 21 ou 42 quilômetros de prova. Até um tempo atrás quem corria estas distâncias sentiam uma certa solidão durante o percurso, pois a maioria esmagadora era a galera dos 5 ou 10 quilômetros, mas de alguns anos pra cá muitos vem buscando novos desafios e novas marcas. E mais bacana ainda foi ver o senso de companheirismo daqueles que terminavam a meia maratona de aplaudir e motivar aqueles que estavam iniciando a segunda volta dos 42 km! Este é o espírito da corrida de rua e que aflora ainda mais a cada maratona!

Vale a pena uma recapitulação de toda essa novela envolvendo a nossa maior maratona. Queira ou não, a Maratona Maurício de Nassau foi concebida para ser grande em nosso estado e ser referência em todo o nordeste, atraindo corredores de outros estados e até mesmo de corredores estrangeiros. Por isso a avalanche de críticas e desconfiança pairou nesta edição. E pelo visto o recado foi compreendido pelos organizadores da prova. É o mínimo que todos esperavam, de uma prova que funcionasse e fosse dada a assistência necessária desde o caminhante que estava ali curtindo a festa nos 5 km de prova até o último maratonista a cruzar a linha de chegada.

MUDANÇA PARA O DOMINGO DE MANHÃ: Essa foi a primeira mudança anunciada pela organização da corrida. Depois de algumas edições com a prova acontecendo no fim da tarde do sábado, a Maratona da Nassau retornou ao domingo pela manhã. De imediato o horário não agradou a alguns corredores, entretanto, era necessário. Quem ano passado correu as provas de 21 ou 42 km e também participou neste ano sentiu na pele a diferença, já que nossa iluminação pública não é das melhores, principalmente nas imediações do Porto do Recife. Sobre o calor, infelizmente o que a gente tem que fazer é se adaptar a ele através dos treinos de fim de semana (o famoso longão!), ou quem sabe, os organizadores da Maratona Maurício de Nassau realocar a prova em nosso período de temperatura mais amena, entre os meses de junho e agosto.

ENTREGA DOS KITS: Longe de ser a desorganização que foi ano passado, a entrega dos kits este ano foi organizada e sem tumultos e idas e vindas para pegar o kit. Nesta oitava edição a organização da Maratona ofereceu aquele kit basicão, composto por camisa do evento, número de identificação, alfinetes, chip de cronometragem, sacola de papel e um folder do Centro Universitário. E como nos anos anteriores, a entrega dos kits foi realizada no Ginásio localizado no Bloco A. Agora com o marketing agressivo que a Uninassau possui, seria muito sonharmos com uma entrega dos kits semelhante as maratonas de outros estados e países, onde a entrega dos kits é bem mais do que uma obrigação para o corredor ir buscar seu número de peito? Não custa sonhar, né?

PERCURSO: Esta com certeza foi a melhor das mudanças promovidas nesta edição da Maratona Maurício de Nassau. Apesar de ser prático para dar apoio aos maratonistas, realizar três voltas no percurso gerava aquele cansaço mental, tornando-se um desafio a mais pra quem enfrentava os 42 km. E sem contar que que a Cabanga estava longe de ser um local agradável de  se visitar, devido ao centro de tratamento de esgoto que tem ali. A inserção da Via Mangue no percurso contribui bastante neste sentido, diminuindo a quantidade de voltas de três para duas na prova principal e de duas para uma volta para quem enfrentava os 21 km. Curioso é que o Recife é conhecido por suas pontes, coube a caçula Ponte Estaiada ser o símbolo desta maratona, estampada inclusive na camisa que veio junto ao kit. Ficaria ainda melhor se o nosso poder publico soubesse utilizar um evento da grandeza da Maratona para atrair turistas. Com tanto evento político e social sendo realizado durante o ano e durando bem mais que seis horas, será que é tão difícil assim o nosso liberar parte da Avenida Boa Viagem para a realização de um evento que só ajuda a engrandecer o Recife? Em toda cidade litorânea o percurso passa por suas praias e Boa Viagem é um dos principais cartões postais do Recife, isso se não for o maior. Mesmo com estas restrições fica o nosso parabéns aos organizadores que souberam ouvir as reclamações da edição passada e soube melhorar consideravelmente o percurso deste ano. Só não foi perfeito porque muita gente sentiu falta das sinalizações a cada quilômetro e ao invés dos paralelepípedos da Rua Madre de Deus os últimos quilômetros fossem pela Alfredo Lisboa para que a gente contemplasse a beleza do Marco Zero.

APOIO, STAFF’s, HIDRATAÇÃO E KIT FINISHER: Show de bola! E com direito a picolé durante e após a prova para a galera dos 21 e 42 km. A ideia da esponja pra aliviar o calor com a água do gelo é uma das coisas que agradaram a todos e a gente fica a pensar o porquê de algo tão simples já não era utilizado nesta e em outras provas de longa distância aqui no estado! O staff’s estavam bem prestativos, como devem ser sempre… e uma quantidade considerável de UTI móvel por todo o percurso, socorristas de prontidão através de motos, quantidade de água suficiente para que ninguém ficasse sem e medalha para o primeiro ao último corredor inscrito que cruzasse a linha de chegada! A gente só volta a bater na tecla da medalha personalizada para cada distância, mas isso não tirou a beleza dela. Foi caprichada!

O resultado da 8ª Maratona Internacional Mauricio de Nassau já pode ser visto no www.corre10.com.br.

Fonte: Pernambuco Running