Kaká se prepara para correr 42 km: “Agora a competição é comigo mesmo”

Quem já viu Kaká dentro de campo sabe que o atleta teve fôlego de sobra para conquistar muito no futebol. Hoje, aposentado, ele trocou os gramados pelo asfalto e se prepara para enfrentar um desafio diferente: correr 42 quilômetros na Maratona de Berlim que acontecerá no próximo ano.

Tudo começou quando o ex-jogador, que ama futebol e tênis, tentou encontrar um esporte em comum com sua esposa, Carol Dias, que curte hipismo e esqui. “A corrida foi nosso ponto em comum e uma forma de passar mais tempo juntos, com a rotina de treinos e visitas ao médico. Mas não queríamos fazer nada sem um objetivo final e por isso decidimos mirar na maratona”, contou em entrevista exclusiva ao VivaBem.

Carol, que sempre teve a corrida como sua parte preferida dos treinos na academia, conta que a rotina ficou muito mais fácil ao lado do marido. “Quando um não está disposto, o outro vai lá e motiva.”.

“Nunca perdeu um treino”

Apesar de ainda faltar um ano para o grande dia, o treinamento a prova alvo já começou. O atleta completou sua segunda prova de 10 quilômetros hoje, na Adidas Boost Run, como parte do calendário de treinos para Berlim. “Após essas provas mais curtas, no ano que vem focaremos em um ciclo de meias maratonas, para elevar o patamar dele. O ciclo final só acontecerá a partir de junho”, explica Marcos Paulos Reis, educador físico e responsável pelo preparo do atleta.

E a disciplina que ganhou no futebol é um grande bônus para o novo esporte. “Em quatro meses de treinos, Kaká nunca perdeu o treino e ainda relata tudo o que faz. Ele entende que como foi jogador de futebol, tem capacidade para ir mais longe e mais rápido, mas respeita todo o processo da modalidade”, conta o treinador.

Melhor do que eu mesmo

A parte mais difícil da corrida, que para o ex-jogador “é muito mais difícil do que jogar futebol”, foi entrar no ritmo. “Recomeçar uma rotina de treinamento foi um desafio, mas hoje já é muito prazeroso. Nunca imaginei que acordaria às seis da manhã para correr, mas quando o despertador toca, fico feliz”, disse.

Vencer o ciclo de treinos e completar a maratona, para ele, terá um gostinho especial. “Durante muito tempo competi contra outras pessoas mas hoje minha competição é comigo mesmo”, afirma.

Fonte: UOL Viva Bem