Bruno Covas coloca corrida em xeque: “É impossível realizar um evento como a São Silvestre”

Prefeito acredita que as chances do panorama mudar são pequenas; coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus no Estado de São Paulo desaprova evento por conta da aglomeração e do longo tempo de exposição.

A prova de rua mais tradicional do país pode ser cancelada por conta da pandemia do novo coronavírus. Em entrevista coletiva dada nesta sexta-feira, o prefeito Bruno Covas disse que é impossível a corrida de São Silvestre acontecer no cenário atual. Covas sinalizou que as chances do panorama mudar até dezembro são mínimas.

– Até agora, a Fundação Cásper Líbero, que é a responsável pela organização do evento, não anunciou qualquer mudança em relação ao evento. Já avisamos a fundação que no momento é impossível realizar um evento como a São Silvestre. Se eles quiserem correr o risco de aguardar o dia 31 de dezembro para verificar, lá em 31 de dezembro, se é possível ou não fazer, é um risco que eles correm – explicou o prefeito.

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus no Estado de São Paulo, José Medina, também destacou vários complicadores para a realização da 96ª edição da prova.

– Esse é um evento que tem uma aglomeração muito grande, um tempo de exposição grande e com pouca possibilidade de distanciamento, inclusive o distanciamento no início da corrida efetivamente não acontece – ressaltou o coordenador.

A prova costuma reunir mais de 30 mil pessoas pelas ruas da capital paulista no dia 31 de dezembro.

– No momento não é recomendável e até o final do ano vai ser difícil que se concretize – completou José Medina.

No dia 17 de julho, a Prefeitura já havia anunciado o cancelamento do Réveillon da Avenida Paulista devido ao risco ainda alto de transmissão da covid-19, a festa atrai mais de 1 milhão de pessoas todos os anos.

A São Silvestre existe desde 1925, o percurso de 15 km passa por alguns dos principais pontos turísticos de São Paulo. A largada é sempre na Avenida Paulista, próximo ao número 2000, e a chegada em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero, também na Avenida Paulista, na altura do número 900.

Fonte: GloboEsporte